sexta-feira, dezembro 13, 2013

VIAGEM


Foge-me o chão, o ar escasseia
Faltam-me as amarras
Sinto-me vazia de tanto me sentir cheia
Existe um nó emaranhado
Que quero desatar
Necessito soltar
As grades do meu alento
Fonte do meu alimento
Sinto falta de mim
Sufoco-me num ar rarefeito
Preciso partir
Ir
Comigo