quinta-feira, fevereiro 18, 2010

Na ponta dos meus dedos


Eu sei, eu sei...quer dizer...não sei, mas acredito piamente que a roupagem a que chamamos corpo não passa disso mesmo...o guarda roupa desta passagem a que denominamos vida. Isso leva-me a pensar a falta que vou sentir de um dos maiores prazeres que tenho enquanto ser terreno: em palmilhar cada centímetro da tua pele na ponta dos meus dedos e ser invadida por um leito de prazer que me aquece, me ilumina, me renova, me preenche, me deleita...

Se tivesse que fazer uma analogia simbólica diria: é o pote de ouro que encontrei no final do arco-íris!...