terça-feira, outubro 31, 2006

Marcas

Pegadas que se marcam
E se apagam
Se afundam
E navegam
Direcções, encruzilhadas
Orientações desorientadas
E sempre aquelas pegadas
Firmes, ténues, apagadas
Que num olhar de relance
Ficam fora do alcance
São pegadas do passado
Vivo...enterrado
Passado

segunda-feira, outubro 30, 2006

Ondas

Ininterruptamente
As ondas sucedem-se
Num ritmo compassado
Ora lento...ora violento
Sussurram o silêncio calado
Espraiam-se lentamente
Como um grito abafado
Um pedido de socorro premente
Ou tão simplesmente
Um pedido de vida
Um pedido
Consentido

sexta-feira, outubro 27, 2006

Um bom fim de semana

O VELHO CAMPINO
Um velho campino, típico e tradicional do nosso Portugal, contemplava, como era seu costume, os touros a pastar nas lezírias à luz de mais um tranquilo pôr-do-sol. Pelo pitoresco do quadro e pelas vestes, que sempre envergava com assumido orgulho, era alvo da curiosidade de todos os turistas e transeuntes de outras paragens.
Naquele dia, uma jovem aproximou-se dele e fez-lhe a pergunta do costume:
- O senhor é campino?
- Sou, sim, Menina.
- Um campino verdadeiro?
- Claro!!!
- Há muitos anos ?
- Sim! Todos os dias conduzo os meus animais, e aos Domingos levo-os a lides triunfantes nas mais conceituadas arenas de Portugal!
Naquele dia, por ter acordado um pouco mais falador, colocou ele uma questão:
- E a menina ?
- Eu sou lésbica. Acordo a pensar em mulheres, tomo banho, como, trabalho, adormeço e sonho a pensar em mulheres e de manhã acordo a pensar em mulheres!
No dia seguinte, foi a vez de uma outra excursão perturbar a calma local. O grupo, curioso, aproximou-se do velho campino e perguntou-lhe :
- O senhor é campino ?
Após uma pequena pausa, o velho campino respondeu, um tanto atrapalhado:
- Toda a minha vida pensei que sim. Mas afinal, ontem descobri que sou lésbica....

Insatisfação

Quando não se tem nada
Pede-se pouco
Quando se tem o pouco
Que se pedia
Quando nada se tinha
Continuamos com a mania
de nada termos
E a pedir mais um pouco

Que bicho mais imperfeito!

quinta-feira, outubro 26, 2006

A prova que faltava...

terça-feira, outubro 24, 2006

Se...

Se não puderes amar-me pelo que sou,
ama-me pelo que te dou
nem que seja através das janelas obscurecidas,
pelo medo da luminescência.
Ama-me pelas folhas ressequidas
que se acumulam na varanda
quando o verão foi longo e ardente,
mas teve que ir embora para outros lugares.
Ama-me por aquilo que criaste
à sombra de uns olhos que olharás pronfundamente,
que eu amo-te á sombra do que criei
à luz dessa ternura calada dos teus lábios,
à sombra do teu silencio.
Se não puderes amar-me pelo que sou,
ama-me por uma razão qualquer,
num pino de inocência e de pecado
numa criação mútua que se faz um do outro,
nesta tão nossa doçura.
M.F.

quinta-feira, outubro 19, 2006

Inverter


Que se revoltem as areias
Rios, mares e oceanos
Que os oceanos desaguem no mar
E o mares nos rios com sereias

Revolva-se a terra que à terra pertence
Inverta-se o céu com suas estrelas
A Lua que ilumine o dia
O Sol à noite dê raios cadentes

É urgente inverter
Viver
Ser

É urgente questionar
Mudar
Amar

Que se viva de dentro para fora
Que se morra quando chegar a hora

Copianço

A professora diz aos alunos para desenharem o órgão sexual feminino.
Nisto, uma aluna incapaz de fazer o desenho, abriu as pernas e espreitou para a dela.
Um colega vê e grita:
PROFESSORA ELA TÁ A COPIAR!!!
P.S. - Não sei se é da chuva, da trovoada, ou de uma outra coisa qualquer, mas prometo que um dia destes volto ao meu estado normal...quer dizer...ao estado "habitual" deste blog...ao estado "habitual"? Qual estado qual carapuça...o blog é o que eu quiser fazer dele, e neste momento quero correr, saltar, brincar e rir muito...se é da chuva ou da trovoada, que seja...benditas sois vós... :)

quarta-feira, outubro 18, 2006

Iraque daqui a "..." anos



terça-feira, outubro 17, 2006

Beijo

Mãos que se entrelaçam
Corpos que se fundem
Olhares que se tocam
Lábios que se sentem
Línguas que dançam
BEIJO-TE

sexta-feira, outubro 13, 2006

Bom fim de semana


Todos os dias devíamos ouvir um pouco de música,
ler uma boa poesia,
ver um quadro bonito e,
se possível,
dizer algumas palavras sensatas.

Goethe

quarta-feira, outubro 11, 2006

Cinzento...

Rabisco uns "bitaites" a preto e branco
Escrevinho outros "bitaites" a cores
Agora, o que não suporto mesmo
É O CINZENTO!...

terça-feira, outubro 10, 2006

Momentos


Hoje passei por ti
Não me viste
Caminhavas solta
Como a brisa da manhã

Cruzámo-nos
Foi quanto bastou
Para que fosse invadida
Por um brilho que não se esgotou

Batidas descompassadas
Ecoavam no vazio
De um apelo sedento
Duma cadela no cio

Hoje passaste por mim
Não me viste
Mas por certo
Me sentiste

quinta-feira, outubro 05, 2006

Abraço


Quando os braços se estendem para além das mãos
Quando o que é abraçado é muito mais do que um corpo
Tocamos o aparentemente intocável
ABRAÇAMOS

terça-feira, outubro 03, 2006

Grão a Grão


Em ti me perco
Em ti me encontro
Na languidez da tua voz
Que me aquece
No sussurro do teu olhar
Que me deslumbra
Na carícia das tuas mãos
Que me entontece
Na volúpia dos teus beijos
Que me enlouquece
Perco-me em ti
Encontra-te em mim
Paixão

segunda-feira, outubro 02, 2006

Será que nascem?!

Ainda estão por nascer
As palavras que traduzam
AMOR