terça-feira, maio 02, 2006

Preciso de TI...meu Anjo!...

O próximo Domingo é dia da mãe. Abominável?! Talvez. Uma mãe é mãe todos os dias. Mas ter um dia não significa que não o seja. É só um dia que lhe é dedicado de uma forma diferente.
Como mãe que sou, de dois putos reguilas, vou dedicar-lhes os próximos posts. Dedicá-los a eles é dedicá-los a mim, indubitavelmente. Eu cresco e aprendo, também através deles. Eles não são a minha vida mas tenho deveres e obrigações das quais não me posso alhiar. Quando penso em mim, penso em nós. Não consigo fazer de outra forma, ainda que em termos pessoais (egoístas) possa significar a "perda" de muitas coisas...
Dia X, 18 horas. Véspera de uma festa de anos que pressupõe alegria, bem estar, risos, correrias, rostos alegres. As festas das crianças são assim. Cheias de emoções. A excitação própria de quem deposita num determinado dia o apogeu de um ano. Tudo apontava para um dia em cheio. E na véspera juntam-se alguns familiares para iniciar a festa. A festa dos adultos. Arranjou-se um cabaz de sardinhas bem fresquinhas para se fazer uma sardinhada num final de tarde que prometia ser bem animada.
Entre fazer doces para o dia seguinte, um grelhador começava a debitar faúlhas e a transformar a madeira em brasas incandescentes, música que tornava o ambiente simpático e acolhedor, todas as pessoas estavam sintonizadas para um único objectivo: festa, muita festa!
Existia uma piscina. Sim, a alegria das crianças. Contra o que era habitual, nesse dia existiam bolas, colchões, animais insufláveis na piscina, para que as crianças no dia seguinte disfrutassem de um dia em pleno. Objectos de alegria para uns mas que podem ser mortais para outros. A vida é isso mesmo. Uma moeda de duas faces.
O elemento mais novo dessa família, tinha na altura dois anos e onze meses. Não era ele o aniversariante. A sua festa seria daí a um mês. Também ele andava excitado. Corria de um lado para o outro e gozava do ambiente que existia naquele dia.
Os adultos todos estavam ocupados. Cada um à sua maneira. Uns preparavam o dia seguintes outros preparavam o petisco de final de tarde. Num determinado momento, dois adultos pararam para fumar um cigarro debaixo de um telheiro. Conversam e disfrutam de cinco minutos de pausa. Benditos cinco minutos. Um deles olha para a piscina e diz: "O que é aquilo que está no fundo da piscina?".
Tudo foi muito rápido. Tão rápido que mais ninguém se apercebeu que no espaço de alguns minutos que mais pareceram anos se ia perdendo uma vida. Valeu aquele homem que teve a frieza necessária (padrinho da criança) para ir buscar "aquela coisa" que estava no fundo da piscina, passá-la à outra pessoa (mãe da criança) e de seguida pôr em prática o que sabia para tentar reanimar a criança que aparentemente já não tinha sinais de vida.
Momento vivido a três. Mais ninguém viveu aquele momento em que uma vida se encontrava no limbo entre a vida e a morte. Bastariam mais alguns segundos para tudo ter terminado tragicamente.
Senti-me naquele dia a pessoa mais afortunada do Mundo. Ainda hoje sonho com aquela imagem. Agradeço e agradecerei todos os dias a benção que recebi naquele momento. Fui alvo de negligência e de comentários que ainda hoje sinto na pele e me ecoam na cabeça. E assumo essa negligência. Nunca, ao longo desta vida, achamos que certas coisas vão acontecer connosco.
Nesse dia um Anjo esteve presente na minha vida. E é esse Anjo que me tem acompanhado. Mas os erros que se cometem ao longo da nossa caminhada têm limites. Receio que o Anjo deixe de me acompanhar. Não o critico. Só lhe posso pedir para não me abandonar...
Preciso de TI...meu Anjo!...

3 Comments:

Blogger Arion said...

Nem consigo imaginar o que sentiste... Beijo, e que o Anjo continue contigo!

5/02/2006 12:16 da manhã  
Anonymous Anónimo said...

Acredito que o Anjo estará sempre contigo...! Léo

5/02/2006 7:04 da tarde  
Blogger mar_e_sol said...

Arion, pois não...
Obrigada :)

Léo, obrigada por acreditares...:)

5/02/2006 10:55 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home